Domingo, 1 de Agosto de 2004

A semana do Blog das putas

O que aconteceu depois foi menos selvagem do que a conversa na carrinha prometia. Estavam lá mais putas e fomos todas levadas em conjunto a uma sala grande, onde havia vários homens sentados, e exibidas em redor. Estavam lá L e o homem da faca, entre outros.
Grande parte dos dias foi passada em actividades puramente sexuais: servíamos os homens à mesa, nuas; tínhamos de chupar quem nos chamasse, de joelhos, `frente de toda a gente.
De vez em quando, e sem qualquer motivo, punição ou outro, uma de nós era escolhida e amarrada fora da casa, a um ramo de árvore, e chicoteada durante algum tempo.
Só houve uma puta que foi suspensa pelas mamas enquanto era chicoteada. A vaca guinchou que se fartou e eu cheguei a recear que se lhe rasgassem as mamas, mas aguentaram.
A mim foderam-me com a cabeça metida dentro de água, mãos amarradas atrás das costas.
E houve mais divertimentos do mesmo género.

Foi assim a primeira noite.
Dali levaram-me de carro. Não sei para onde, exactamente. Nunca sei. Gosto disso. Foi uma viagem longa: duas ou três horas. De vez em quando o carro dava grandes solavancos: estradas de terra? Eu ia dentro da caixa fechada da carrinha, por isso não pude saber.
O tipo que me ameaçara com a faca voltou a mostrá-la. Evidentemente, divertia-se com aquilo. Fez-me fazer-lhe um broche com a faca encostada ao meu pescoço. A certa altura desceu-a para as mamas e pressionou-a contra um mamilo.
«Que tal se eu te cortasse uma teta? Sabias que era isso que Jack the Ripper fazia às putas que matava? Cortava-lhes as mamas. E os lábios da cona. O que achas se eu te fizesse a mesma coisa? Continua a chupar. Chupas bem, vaca, é o que te vale. Eu, por mim, tinha-te atirado ao rio. Foste-te abaixo. Uma puta decente não se vai abaixo. Chupa. Antes da semana acabar vou comprar-te ao L e corto-te devagar. Primeiro as mamas, a rata. Depois o nariz e as orelhas. E no fim o pescoço. Vi uma vez um filme em que um gajo fodia a traqueia de uma gaja a quem tinha cortado o pescoço. Vinha-se no pescoço dela, bem dentro da traqueia. E os pés da gaja ainda estremeciam.»
Foi assim que se passou a viagem.

Não sei quantos tipos foram lá dentro. Dezenas, sei lá. Chupei, chupei e chupei. Às tantas estava tão cansada que tinha a lingua dormente e comecei a parar, e isso valeu-me meia dúzia de bofetadas que me deram logo mais gás.
Lembro-me de risos, insultos gritados por cima de mim, bofetadas, apertões nas mamas, o nariz apertado enquanto me enfiavam a picha pela garganta abaixo, e mais esperma, e mais, e mais.
Dei por mim caída no chão, com a boca dorida e um sapato a pressionar-me as mamas, e uma voz:
«Esta vaca foi-se. Já não aguenta mais.»
Outra voz:
«Vamos levá-la e atiramo-la ao rio. É uma porra, não vale nada.»
«Não vale nada? Contaste quantos gajos ela chupou?»
«Acabou-se, não consegue chupar mais. Por mim, atira-se.»
«Não.»
Lembro-me de pegarem em mim e de me arrastarem pelo bar e depois para a rua, não sei se vestida ou despida, e de ser atirada para dentro da carrinha.
Barulho de motor, movimento. Conversas.
Duas bofetadas fortes. Abro os olhos. Estamos parados.
Um dos tipos agarra-me pelo pescoço e obriga-me a espreitar pela porta. Vê-se o rio.
«Estás a ver aquilo, puta?»
«Sim.»
«Estamos a pensar atirar-te lá para dentro. Com uma pedra amarrada aos pés, para não chateares ninguém. O que é que achas?»
Eu não estava grande coisa e nem reagi à ideia de ser atirada ao rio. Disse:
«Se fizerem isso, metam-me um vibrador na cona, para me vir uma última vez.»
Houve gargalhadas e o tipo puxou-me pelos cabelos para dentro da carrinha.
«É de força, a puta!»
«Ficamos com ela.»
Ouvi a porta fechar-se.

Foi como ele disse. Chegámos ao Intendente e a carrinha estacionou. Mandaram-me sair e eu saí. Havia a população habitual na rua: putas, chulos e clientes.
Escoltada por três tipos, marchei pela rua fora. Sentia os olhos dos homens em mim. Fiquei ainda mais excitada. Fico sempre.
Um dos homens agarrou-me um braço ao passarmos pela porta de um bar e obrigou-me a entrar. O bar estava cheio de tipos a beber cerveja e a olhar para um filme porno que passava numa TV por cima do balcão. Duas putas serviam ao balcão.
«Ok», disse um dos meus acompanhantes. «Então é assim: vais tirar essa roupa toda e vais anunciar em voz alta que chupas todos os tipos que quiserem meter-te a picha na boca. Depois avanças para a casa de banho dos homens e preparas-te para trabalhar. Entendido?»
Eu acenei que sim com a cabeça.
«Ao trabalho», ordenaram-me.
E fiz isso. Avancei para o meio do bar e tirei a roupa. Houve assobios e bocas porcas vindos de todo o lado. Depois fiz o meu discurso:
«Estou aqui para chupar toda a gente que queira meter-me a picha na boca. Vou esperar na casa de banho dos homens.»
Mais assobios, mais bocas porcas. Acho que os tipos não estavam a acreditar. Mas depois um dos homens que vinham comigo confirmou que era assim mesmo. Eu, entretanto, avancei para a casa de banho, nua pelo meio de todos aqueles machos. Houve apalpões. Levei uma bofetada, não sei de quem.
A casa de banho estava vazia e cheirava a urina e a desinfectante, como cheiram todas. Havia água no chão. Encostei-me a uma das paredes, entre os urinõis, e preparei-me para trabalhar. Estava tão excitada que era capaz de pedir na rua que me violassem, se os tipos me mandassem fazer isso.

publicado por Bisbilhoteiro às 14:27
link do post | comentar | favorito
|

.PodCast




.pesquisar na Vaca

 

.Abril 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Katya Da Bimba

. Dicionário Japonês

. Blowtime

. Conversas com o Doctor Ho...

. Passion Pit: Manners

. Um asno sem sentido único...

. Relembrar a PAM#7

. Relembrar a PAM#6

. Relembrar a PAM#5

. Relembrar a PAM#4

. Youtube fuck off

. Relembrar a PAM#3

. A Vaca é Moral

. Conversas com o Doctor Ho...

. Paulo Pedroso chupa-me o ...

. FC PORCO é campeãum...

. História com continuação

. Ryu paneleira da praça

. Roisin Murphy para vocês ...

. Satanás Loves Padre Pedóf...

.arquivos

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds

.Rádio FLAMA ETERNA

http://84.90.106.32:8000

.Translation

.Meter

eXTReMe Tracker

.Cena

blogs SAPO

.subscrever feeds